Notícias

Lula se mantém em alta, mas volta à Presidência parece fora de alcance

Postado em 28-08-2017 às 08:46hs

Petista é acusado de corrupção em seis processos

Milhares de pessoas têm se encontrado com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) durante sua turnê de ônibus por Estados do Nordeste, região onde o petista nasceu e continua tendo mais apoio.

Trabalhadores rurais cujas vidas melhoraram dramaticamente graças aos programas sociais de Lula cercaram seu ônibus em cada parada para saudar o ex-líder sindicalista e filho de mãe analfabeta. Alguns, chorando, se esticavam para tocá-lo como se ele fosse um semideus.

A turnê de três semanas é o lançamento informal de uma possível campanha à eleição presidencial do ano que vem. A crise econômica prolongada e os escândalos de corrupção que engolfaram o presidente Michel Temer (PMDB) e grande parte da classe política do Brasil, inclusive Lula, ressuscitaram as esperanças do ainda popular veterano político de voltar ao poder.

Corrupção e lavagem de dinheiro


Mas embora o apoio a um retorno de Lula continue forte - como mostram pesquisas de intenção de votos - graças à nostalgia da fase de ouro da economia brasileira em seu governo, impulsionada pelo boom das commodities, o índice de rejeição do polêmico líder parece alto demais para ele vencer, disse Mauro Paulino, diretor do Datafolha.

E existe um obstáculo ainda mais sério. Lula enfrenta a probabilidade de ser impedido de concorrer se a condenação por corrupção e lavagem de dinheiro decretada pelo juiz federal Sérgio Moro no mês passado for confirmada por uma instância superior.

Em  entrevista exclusiva à agência de notícias Reuters, Lula admitiu que o PT precisa estar preparado para apresentar outro candidato, uma perspectiva que agrada os investidores que veem a corrida de 2018 sem ele melhorando as chances de o Brasil se ater à austeridade fiscal postulada por Temer. "Obviamente, se você vai olhar o quadro político pela fotografia de hoje, eu sou a figura mais importante para a campanha política. Mas a gente tem que tomar em conta que acontecem coisas na política que a gente não controla. Eu tenho um processo judicial", disse Lula, referindo-se à condenação que pode levá-lo à prisão.

Vácuo político

Pela lei brasileira, um político fica impedido de exercer cargos públicos durante ao menos oito anos se for condenado por um crime e a sentença for mantida por uma corte superior. Lula enfrenta outros cinco processos por acusações de corrupção, mas é provável que só a condenação de julho seja analisada pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região antes da eleição de outubro que vem.

Embora exista alguma discordância entre especialistas jurídicos, o consenso é que, se o veredicto for mantido por uma instância superior depois de ele concorrer e possivelmente vencer a eleição, Lula desfrutaria de imunidade enquanto permanecesse na Presidência.

Uma pesquisa Datafolha feita no final de junho mostrou Lula com 30% das intenções de voto no primeiro turno, o dobro de seus concorrentes mais próximos. Mas em um provável segundo turno, a mesma sondagem mostrou Lula empatado com sua ex-ministra do Meio Ambiente Marina Silva (Rede), candidata presidencial derrotada duas vezes.

"Existe um vácuo na política no Brasil neste momento, a partir do momento em que a Lava Jato passou a investigar e condenar também os políticos de outros partidos, à medida que foram aparecendo gravações e vídeos de Aécio Neves (PSDB), e todas as denúncias que se fez contra o próprio Michel Temer", observou Paulino, do Datafolha.

"Tudo isso reforçou uma impressão na população brasileira de que todos os políticos são corruptos e que a corrupção não existe apenas no PT, é algo que está espalhado por todos os partidos", acrescentou. "Num momento em que todos ficam iguais, a preferência pelo Lula volta, e não só o Lula, mas a preferência pelo PT também vem aumentando."

Você viu?
Caciques do PSDB são mais rejeitados do que Lula


Rejeição

A rejeição a Lula caiu para 46% cento em julho, abaixo de 53% em abril e 57% em março, de acordo com o Datafolha. Mas essa taxa é alta demais para vencer um segundo turno presidencial e provavelmente aumentará, já que o Datafolha ainda não realizou uma pesquisa após a condenação de Lula por Moro.

Novas lideranças

Os eleitores estão ansiosos para encontrar novos líderes que estejam fora do maior escândalo de corrupção da história do país. Novos nomes, como o do prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), um milionário que venceu no primeiro turno a disputa pela capital paulista no ano passado, estão emergindo como possíveis candidatos à Presidência em 2018.

Em tal contexto, o PT faria melhor escolhendo um candidato menos polarizador do que Lula, como o ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, que foi derrotado facilmente por Doria, avaliou Adriano Oliveira, cientista político da Universidade Federal de Pernambuco. Haddad, no entanto, teve apenas 3% das intenções de voto na última pesquisa Datafolha, no cenário em que seu nome é colocado entre os candidatos. "Lula não é o melhor candidato do PT... com Lula seria uma campanha muito agressiva", diz Oliveira. "Com Haddad você terá o benefício do lulismo e evitaria o desgaste do lulismo."